O Homem que Carregava Flores


Por Francikley Vito

Em um dia de sol causticante, lá vem ele; pernas firmes e resolutas, braços cansados, porém não desistentes. Caminhava com pressa, pois sabia que o tempo era, naquele momento, seu maior inimigo. Trazia consigo flores, muitas e de várias cores. Trazia consigo sentimentos, muitos e por várias causas.

Mas isso, ele não sabia.

Não sabia que levava consigo amor, alegria, perdão e saudade. Não, isso ele não sabia. Pois em seu pensamento, trazia nos braços as sementes dos frutos que viriam bem mais tarde. Seu trabalho, seu sustento.

Isso, ele sabia.

Dalí a poucos minutos, duas daquelas rosas iriam trazer sorrisos aos lábios de uma mão, que acabara de ganhar o seu primeiro filho; seriam levadas por um pai que, com palavras, não sabia expressar seu amor e gratidão pela mão do seu único filho.

Um punhado daquelas rosas traria alegria ao coração de uma secretária, que por trabalhar no dia do seu aniversário, estava muito triste e solitária. Um amigo, daqueles que se escrevem com “A”, seria responsável por tamanha alegria – alegria que era motivada por singelas rosas, amarelas.

Um grande buque daquelas rosas seria entregue por uma jovem que, por força do seu temperamento, brigara com seu amado e ajudador. Um pedido de reconciliação em forma de rosas champanhe.

No final daquele dia, um senhora, sendo assim chamada não pela idade, mas pelo semblante, seria presenteada com uma daquelas rosas; que por ser branca, lhe traria à lembrança sua mão morta há duas semanas. Era a sua flor preferida, dizia.

Isso, ninguém sabia.

Ao ser perguntado o que levava consigo, o homem respondeu: Nada, só flores.

2 comentários:

  1. A paz querido irmão! Linda reflexão! Seu blog é muito edificante! Que o Senhor continue te abençoando.
    Aline Croce.

    ResponderExcluir
  2. Aline, é uma alegria mito grande lê-la conosco. Que Deus te faça feliz. Paz.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...