A Doutrina da Morte 1/6

Por Caramuru A. Francisco

Texto Áureo
“Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus” (II Co.5:1).

INTRODUÇÃO
O tema da morte tem desaparecido dos púlpitos, em mais uma demonstração da apostasia que grassa no meio da Igreja. A morte é uma realidade que deve ser enfrentada e que não deve ser motivo de angústia, mas, sim, de esperança para aquele que serve fielmente ao Senhor.

I – OS SIGNIFICADOS DISTINTOS DE MORTE NA BÍBLIA SAGRADA

O apóstolo Paulo demonstrava aos coríntios que o crente, embora seja um vaso de barro, tem um tesouro excelente dentro de si, tesouro este que o mantém esperançoso apesar de todas as dificuldades que o cercam nesta jornada sobre a face da Terra (II Co.4:7-10).

Esta realidade da vida traz, também, uma postura do crente em relação à morte, pois, como disse o escritor aos hebreus, “aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo” (Hb.9:27), postura esta que o apóstolo anuncia ser completamente distinta com relação aos demais homens, que não têm Cristo. O salvo em Jesus Cristo tem esperança, sabendo que, assim como Jesus ressuscitou, também ele ressuscitará e será apresentado ao Senhor com toda a Igreja (II Co.4:14).

A morte é, sem dúvida, um dos fatos que mais intrigam o ser humano. Registros de todas as comunidades humanas, em todas as épocas e em todos os estágios civilizatórios, mostram que o tema da morte é uma questão com a qual o homem sempre se depara, sem saber como dela cuidar. Esta perplexidade do homem diante deste tema é, aliás, mais uma demonstração de que a morte surge como um elemento intruso, inadequado e indevido na existência humana.

A Bíblia mostra claramente que o homem não foi feito para morrer. O homem foi criado para ser imagem e semelhança de Deus (Gn.1:26,27), um verdadeiro reflexo da divindade na criação e, por isso, a eternidade, que é um dos atributos divinos mais proeminentes (Gn.21:33; Dt.33:27), tinha de ser vista no ser humano, ainda que como uma eviternidade, ou seja, uma existência que tivesse princípio mas não tivesse fim.

No entanto, a morte era uma possibilidade para o homem, pois o próprio Deus assim o quis, dizendo ao homem que a morte seria conseqüência da sua desobediência (Gn.2:17). O primeiro casal pecou e, como conseqüência do pecado, tivemos a inserção da morte na existência humana. Por isso, é dito que o salário do pecado é a morte (Rm.6:23).

Morte significa separação e, a partir do pecado, houve, de imediato, uma separação entre Deus e o homem. Esta separação deu-se logo naquele dia, quando o Senhor Se apresentou no jardim. A Bíblia diz-nos que o primeiro casal procurou fugir da presença de Deus (Gn.3:8), a demonstrar, pois, que não havia mais a comunhão entre Deus e o homem, que o pecado havia produzido a separação entre o Criador e a sua mais sublime criatura sobre a face da Terra (Is.59:2).

Vemos, nesta atitude do homem, a morte espiritual, que é o primeiro significado da morte para o ser humano. A morte espiritual é a separação entre Deus e o homem, é a ausência de comunhão entre Deus e o homem. É chamada de “morte espiritual” porque é o espírito humano que promove este elo de ligação entre Deus e o homem, daí porque se dizer que, quando o homem aceita a Cristo como seu Senhor e Salvador, há a vivificação do espírito (I Co.15:22), bem como que o homem, antes da salvação, está morto em seus delitos e pecados (Ef.2:1).

Como consequência da morte espiritual, vemos que houve, também, uma morte moral do ser humano. Tendo sido descoberto por Deus na sua inútil tentativa de d’Ele se esconder, o homem é posto diante da presença do Senhor e vemos, então, não mais o ser que era a imagem e semelhança de Deus, cônscio de seus deveres e responsabilidades, cientes de seus direitos, mas alguém que não assume qualquer responsabilidade, que procura culpar o próximo, mesmo sendo a pessoa que tanto amava. Adão, diante do seu erro, tenta culpar sua mulher e esta, por sua vez, acusa a serpente.

O homem, espiritualmente morto, também se encontrava moralmente morto. A morte moral é decorrência direta da morte espiritual. A morte espiritual separou o homem de Deus, enquanto que a morte moral separou o homem do seu próximo. O ser humano não mais passou a amar o semelhante, a amar o próximo, mas a ser egoísta, querendo apenas o interesse próprio, enxergando somente a si mesmo. Adão quis se safar de qualquer punição, imputando a Eva toda a responsabilidade e Eva, por sua vez, fez o mesmo, imputando tudo à serpente(Gn.3:12,13). O homem se encontrava separado do próximo, encontrava-se separado da virtude, do que é certo. Era a morte moral deste ser que havia sido feito com capacidade de discernimento. Estavam separados da liberdade e seu desejo, agora, estava escravizado pelo pecado (Gn.4:7).

Mas não é apenas a morte espiritual ou a morte moral que advêm por causa do pecado. Ainda naquele fatídico dia da queda do primeiro casal, Deus impôs uma outra conseqüência do pecado, a saber: a morte física. “No suor do teu rosto, comerás o teu pão, até que te tornes à terra, porque dela foste tomado, porquanto és pó e em pó te tornarás” (Gn.3:19). Deus determinou que, por causa do pecado, passasse o ser humano a ter uma degeneração de seu corpo físico, até que ele se separasse do homem interior (alma e espírito), que é a morte física. O corpo, feito do pó da terra, teria de voltar a esta terra, voltar a ser pó, o que ocorreria no momento determinado por Deus, quando, então, ocorreria a separação entre o homem exterior e o homem interior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...