A Doutrina da Morte 2/6

Por Caramuru A. Francisco
A morte física foi, assim, a segunda espécie de morte que surge para o homem, morte esta que não escolhe idade nem tem uma causa certa ou predeterminada. O primeiro homem cuja morte física é narrada na Bíblia foi Abel, filho de Adão e de Eva, mais jovem do que eles, portanto, que morreu de “morte matada”, ou seja, foi vítima de crime praticado por seu irmão Caim, a chamada morte violenta(Gn.4:8). Depois, o próprio Adão é apresentado como tendo morrido, depois de ter vivido 930 anos após a perda da imortalidade (sim, o tempo de vida de Adão nos é desconhecido, apenas sabemos que viveu 930 anos depois que foi sentenciado à morte física por Deus). É o exemplo de morte natural, morte decorrente da degeneração do organismo, diante da sentença divina dada no jardim do Éden (Gn.5:5).

Mas também Deus mostraria que as pessoas também morrem por conta de um juízo divino, como ocorreu quando do dilúvio, quando o Senhor resolveu destruir o gênero humano da face da Terra por causa da sua impiedade(Gn.7:21). Mas ainda há o caso da morte por enfermidade, por uma doença ou por complicações orgânicas que acometem o homem e aceleram o processo de degeneração, como aconteceu com Raquel (Gn.35:18,19) ou com Jacó (Gn.48:1; 49:13).

Ainda que seja por causas várias, o fato é que ninguém escapa da morte física, todos quantos nasceram sobre a Terra, morreram fisicamente, sejam ricos ou pobres, doutos ou indoutos, homens ou mulheres, fiéis ou infiéis. A morte física é inevitável, é o resultado de uma sentença dada por Deus a toda a humanidade, através do primeiro casal (Ec.9:5 “in initio”), algo que somente Cristo mudaria, como adiante se verá nesta lição.

Mas, além da morte espiritual, da morte moral e da morte física, a Bíblia fala-nos da morte eterna ou “segunda morte” (Ap.20:14), que é a separação eterna de Deus, resultado da condenação no julgamento final, quando, então, aqueles que resolveram viver longe da presença de Deus, que recusaram o Seu senhorio em suas vidas, serão lançados no lago de fogo e de enxofre para todo o sempre. Esta separação é definitiva e não representa aniquilamento ou fim da existência, mas uma separação eterna e irreversível de Deus.


II – O ESTADO INTERMEDIÁRIO DOS MORTOS

Pelo que podemos verificar, portanto, segundo as Escrituras, o homem, feito para viver para sempre, acabou por escolher a morte, visto que desobedeceu a Deus e, ao pecar, d’Ele se separou. Esta separação nada mais é que a própria morte em si.

A salvação do homem é precisamente a iniciativa divina para que o homem torne a ter vida, volte a ter comunhão com o seu Criador. Já no Éden, Deus prometeu ao homem que seria desfeita a inimizade que se instalou entre Ele e o homem por causa do pecado, prometendo que da semente da mulher surgiria um que reataria a amizade entre Deus e o homem (Gn.3:15).

Não é por outro motivo que o Senhor Jesus diz que quem n’Ele crê passa da morte para a vida (Jo.5:24), bem como que n’Ele crê não perece mas tem a vida eterna (Jo.3:16), como também que não mais chamaria os Seus discípulos de servos mas de amigos (Jo.15:15).

Jesus veio trazer a possibilidade para que o homem retome a sua comunhão com Deus, passando a ter vida em todos os sentidos, ou seja, tendo o pronto restabelecimento de sua vida espiritual, de sua vida moral e, ainda, a certeza da vida eterna. O único obstáculo para que haja uma completa restauração da situação anterior ao pecado é, precisamente, a morte física, visto que a carne e o sangue não herdarão o reino de Deus (I Co.15:50), visto que o nosso corpo físico foi afetado pela corruptibilidade por causa do pecado e, agora, deverá ser transformado em outro corpo, um corpo glorioso pelo qual poderemos entrar nas mansões celestiais, assim como ocorreu com Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo (I Co.15:52-54).

Mas quando ocorrerá esta transformação do corpo para o salvo? Paulo deixa bem claro, tanto na primeira carta aos coríntios, quanto na primeira carta aos tessalonicenses, que isto ocorrerá, para os salvos em Cristo Jesus, quando do arrebatamento da Igreja, evento ainda não ocorrido. Diante disso, vemos, com clareza, que há um instante na vida de cada ser humano entre a sua morte física até o dia do arrebatamento da Igreja (para os salvos) e o juízo do trono branco, também chamado de “juízo final” em que as pessoas que morreram fisicamente aguardarão a ressurreição, ou seja, a reunião de espírito, alma e corpo para enfrentar o julgamento divino, pois, depois da morte, segue-se o juízo (Hb.9:27). É a esta situação entre a morte física e a ressurreição que se denomina de “estado intermediário dos mortos”, em que houve já a morte física, mas ainda não se tem a ressurreição e o julgamento do destino eterno do indivíduo.

Muito se especula sobre o estado intermediário dos mortos, assunto que não é minudentemente tratado nas Escrituras, o que se entende pelo simples fato de que nossa decisão em relação à salvação deve ser dada nesta vida. Deus, ao revelar Seu plano ao homem, quis que o homem tomasse uma decisão no momento oportuno e este momento é o da sua vida sobre a face da Terra. Aqui é o instante em que devemos crer ou não em Cristo e alcançar a vida eterna. Depois que dermos aqui o último fôlego de vida, nosso destino já estará selado e não há, mesmo, qualquer utilidade em se saber o que se passa “do outro lado da vida”. As Escrituras, desta maneira, estão muito mais voltadas para explicar qual é o destino eterno do homem do que em dar pormenores de um estado que é, ademais, passageiro.
De qualquer maneira, não há um silêncio completo da Bíblia a respeito. Embora sem precisar detalhes, o texto sagrado mostra-nos que o estado intermediário dos mortos inicia-se com uma decisão imediato, um juízo provisório de Deus a respeito de onde aguardará a pessoa o seu julgamento.

Com efeito, a Bíblia diz que, quando há a morte física, o corpo volta ao pó da terra, em cumprimento à sentença divina exarada sobre a humanidade pecadora, enquanto que o homem interior (alma e espírito) apresentam-se diante do Senhor (Gn.3:19; Ec.12:7; Rm.5:12). O corpo, que é matéria, desfaz-se, corrompe-se (I Co.15:42; II Co.4:16), enquanto que a alma e o espírito são levados à presença de Deus, pois têm origem direta do Senhor (Gn.2:7), quando, então, num “juízo provisório”, são mandados ou para o Paraíso ou terceiro céu (Lc.23:43; II Co.12:4; Ap.2:7), se foram fiéis ao Senhor Jesus e alcançaram a vitória guardando a fé (Mt.24:12; II Tm.4:7), ou, então, são encaminhados para o Hades, o lugar dos mortos, i.e., daqueles que tiveram uma vida separada de Deus, que se mantiveram debaixo do pecado, onde aguardarão, entre tormentos, o dia do juízo final (Lc.16:23).

Na história que Jesus contou a respeito do rico e de Lázaro (Lc.16:19-31), o Senhor Jesus mostra-nos, claramente, que o estado intermediário dos mortos é um estado de plena consciência, ou seja, não se trata de um “sono profundo” em que alma e espírito aguardam a ressurreição. Jesus deixa-nos bem claro que tanto o rico quanto Lázaro, enquanto aguardavam a ressurreição (e estão a aguardar até o dia de hoje), tinham plena consciência de onde estavam e porque ali estavam. Os tormentos vividos pelas almas que se encontram no Hades é, precisamente, a certeza de que não há para elas mais oportunidade de salvação, de que tudo quanto havia sido pregado a elas a respeito do Evangelho de Cristo é a realidade e que a incredulidade deles levou-os a uma irreversível e eterna separação de Deus. Quer maior tormento do que este?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...