A Doutrina da Morte 5/6

Por Caramuru A. Francisco
Jamais se pode exigir de um crente que não sinta tristeza numa ocasião fúnebre, pois, além da tristeza própria de cada um, sentimos, em situações como esta, a tristeza de todos os que nos cercam, num ambiente que aumenta, ainda mais, a tristeza, tanto que assim que Jesus, mesmo sabendo que ressuscitaria Lázaro, chorou diante do clima fúnebre quatro dias depois do sepultamento de Lázaro. Se Jesus chorou, quem somos nós para não nos entristecermos diante disto?

Sentimos tristeza quando alguém querido se separa fisicamente de nós porque somos humanos e isto é perfeitamente natural, não residindo aí a diferença entre o crente e o ímpio. O apóstolo enfatiza que a tristeza do crente, embora natural e perfeitamente compreensível, não pode ter o mesmo sentido da tristeza do ímpio e é este sentido, este significado que faz a diferença entre uma e outra. “Não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança” (destaque nosso). O crente fica triste quando alguém morre, mas não pode agir como os ímpios, que não têm esperança.

A distinção entre a tristeza do crente e a tristeza do ímpio em ocasiões fúnebres está na esperança que tem o crente de que, além da morte física, existe uma eternidade de delícias com o Senhor, existe uma plenitude da vida eterna que já começamos a gozar aqui. O crente sabe que, com a morte física, há tão somente uma passagem para uma comunhão mais perfeita com o Senhor, é uma etapa a mais na caminhada rumo à glorificação, quando, então, no dia do arrebatamento da Igreja, tanto mortos quanto vivos, que agora são filhos de Deus, terão manifestado o que haverão de ser, pois, quando Cristo Se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque assim como é O veremos (I Jo.3:2).

Quando estivermos diante de uma ocasião fúnebre de um servo do Senhor, não devemos nos desesperar, como é costumeiro ocorrer quando se trata da morte de ímpios ou da reação de ímpios diante da morte de entes queridos, como estava acontecendo em Tessalônica, mas, pelo contrário, ainda que entristecidos, porque humanos somos, temos de nos consolar e nos confortar com a esperança que temos de que Jesus virá buscar a Sua igreja e que, vivos e mortos, serão reunidos nos ares e se encontrarão com o Senhor, para vivermos uma plenitude de comunhão com o Senhor.

Em mais um paradoxo da vida cristã, no momento da tristeza pela separação de uma pessoa querida, com quem compartilhávamos o amor divino, o amor fraternal, a alegria de servirmos e sermos abençoados pelo mesmo Deus e Pai, sentimos alento espiritual, conforto e consolo pelo fato de sabermos que há uma promessa de nos reunirmos, num corpo glorioso e transformado, com o Senhor naquele dia em que seremos glorificados. A morte física do crente, portanto, não é apenas um motivo de tristeza, mas uma fonte de esperança e de estímulo e incentivo em seguirmos até o fim com fidelidade e santidade, assim como aquele que se separa fisicamente de nós.

Os estudiosos das Escrituras, inclusive, afirmam que, com a morte de Jesus, ocorreu uma importante modificação no chamado “estado intermediário dos mortos”. Até então, como Jesus deixa claro na história do rico e Lázaro, que tanto o “seio de Abraão” quanto o “Hades” ficavam lado a lado, ou seja, nas “regiões inferiores” (daí a palavra latina “inferno”). No entanto, quando da morte de Cristo, o Senhor teria, ao vencer a morte e o pecado, transferido o seio de Abraão para o terceiro céu, para o Paraíso, daí porque para lá ter sido arrebatado o apóstolo Paulo (II Co.12:2-4).

Esta retirada do “seio do Abraão” para o terceiro céu é a profecia constante do Sl.68:18, reproduzido em Ef.4:8, em que se mostra que o Senhor Jesus subiu ao alto e levou cativo o cativeiro, recebeu dons para os homens e até para os rebeldes, para que o Senhor habitasse entre eles. O próprio apóstolo Pedro, na pregação do dia de Pentecostes, menciona a profecia divina (Sl.16:10) segundo a qual Deus não permitiria que a alma do Senhor ficasse no Hades nem que Seu corpo se corrompesse (At.2:27,31).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...