Teresa de Calcutá: Um Exemplo para Hoje

Por Franckley Vito

O centenário de Madre Teresa de Calcutá é comemorado em 26 de agosto de 2010. A freira nascida em 1910, na cidade de Skopje, na Macedônia, ficou conhecida por dedicar sua vida à caridade, cuidando de pobres e doentes. Chamade de "Santa das sarjetas", Madre Teresa foi naturalizada indiana e adotou o nome da cidade de Calcutá devido ao longo período que permaneceu na cidade. Em 19 de outubro de 2003, ela foi canonizada por João Paulo II. [1]

Este blog faz uma homenagem a uma das mulheres que viveu mais intensamente o princípio de “amor o próximo como a si mesmo”. Talvez o leitor tenha alguma espécie de pré-conceito a respeito de um blog cristã falar sobre uma pessoa que era declaradamente católica; porém, gostaria de lembrá-lo um princípio fundamental, isto é, a verdade de que bons exemplos podem ser encontrados em todos os lugares. Cabe a nós olharmos essas “ovelhas que foram antes de nós”, e tentarmos seguir o seu exemplo de humildade abnegação e amor pelo outro e por uma causa. Não é isso exatamente que está em falta em nosso meio? O exemplo de Teresa de Calcutá nos pode abrir os olhos para um principio proverbial interessantíssimo (perdoe-me pelo lugar comum): “uma vida que não vivida para servir não vale a pena ser vivida”. Ou, como dizia a própria serva de Calcutá: “Por vezes sentimos que aquilo que fazemos não é senão uma gota de água no mar. Mas o mar seria menor se lhe faltasse uma gota.”
Pensar numa vida relegada ao outro, nos deveria levar a um lugar de reflexão sobre os princípios fundamentais da vida cristã, mui principalmente o amor. Como disse Paulo: “Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanha, se não tiver amor nada serei. Assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor”. Ponto. [2]

Nota
[1] dados e foto ilustrativa adquiridos em reportagem especial da Revista Veja em http://veja.abril.com.br/multimidia/galeria-fotos/centenario-de-madre-teresa-de-calcuta.
[2] I Coríntios 13. 2, 13 – NVI.

4 comentários:

  1. Realmente acertado quando o autor diz "serva de Calcutá", diferente dos "crentes convertidos" verdadeiros servos de Jesus, realmente ovelhas do rebanho de Jesus de Nazaré. . Gente boa, amorosa cheios de caridade e boas obras também eram Chico Xavier, Mãe Menininha do Gantois, Dr. Fritz, Allan Kardec, João Paulo II . Na opinião do autor, Tereza foi ao céu, para os braços do Pai ? Sem pré-conceitos, como disse o autor, mas Tereza não era ovelha de qual aprisco ? De qual Pastor ? Podemos esperar também uma homenagem á Chico Xavier que completaria este ano 100 anos de humildade, caridade, conforto aos oprimidos, etc ?

    ResponderExcluir
  2. A Paz do Senhor, querido Mendes.
    Estive pensando em suas afirmativas, e tenho duas colocações a fazer (com sua permissão, é claro!). Primeiro, ao contrário de alguns nomes citados por você, Teresa de Calcutá era cristã, ainda que não evangélica (ou protestante); segundo, a sua vida foi um exemplo de doação ao outro, ou há como negar isso? Assim, se, como disse a professora Bastazin, “a concepção de uma crença só tem sentido na medida em que ela é traduzida em ações que direcionam a busca de uma realidade outra”, a serva de Calcutá andou de acordo com sua crença; diferente de alguns de nós que, apesar de se dizer servo de Cristo, anda absolutamente em contrário a essa crença. Quero, por fim, dizer que respeito suas observações, apesar de não concordar com algumas delas. O diálogo é sempre necessário. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Graça e Paz, irmão. A afirmativa da professora Bastazin aplica-se, indubitavelmente, a todos os nomes que mencionei, pois, todos, sem exceção traduziram suas crenças em ações que os direcionaram a "busca de uma realidade outra". Não há como negar que, cada um ao seu modo, todos eles foram exemplos de "doação ao outro", principalmente o Chico Xavier. Por outro lado, não creio que seu blog tenha tido a intenção, pelo teor do escrito, de render homenagens a alguém por sua fé (cristã ou não) mas sim a alguém com seu exemplo de vida, doação, etc, etc, etc,o que caberia a todos os nomes que mencionei, cristãos ou não.
    Mais ainda, sabemos que a senhora Tereza tinha uma fé "no Deus", mas sempre demonstrou não ter a fé "salvífica" em Jesus, tratando-se, portanto, de uma "cristã" , com obras semelhantes às "Caridades" feitas pelos espíritas. Lembro que nossos primeiros irmãos foram chamados de "cristãos" porque 1) Criam no Salvador 2) Viam Jesus nas atitudes deles 3) Viam Jesus operar através deles 4) Davam toda a glória a Jesus, NESTA ORDEM ...
    Obrigado pelo espaço democrático.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...